selo

Oferecimento

Blogs

03/11/2016
Pense em crise, mas crie!
Por: Bernardo Dinardi

Bernardo DinardiEm qualquer segmento de mercado, só se pensa em um questionamento: como driblar a crise e alcançar resultados satisfatórios? Neste contexto, o marketing – parceiro histórico das organizações na alegria ou na tristeza – ganha ainda mais importância. Especialmente, para quem está alinhado com as ideias da era das conexões digitais e com a inovação. É aí que entra em cena um conceito relativamente novo, porém amplamente aceito e disseminado no mercado, o Live Marketing.

 

Live Marketing é a denominação que se dá às ações que promovem interação sensorial entre marca e público. Você deve estar pensando o que isso tem a ver com crise, mas a relação é simples. Em épocas de recessão, os consumidores ficam ainda mais críticos, o que reflete em decisões de compra de produtos ou serviços mais cautelosas. Assim, é preciso buscar alternativas mais criativas para alcançar os públicos em seus próprios ambientes e vencer a concorrência. Ao invés de dizer "compre", o Live Marketing coloca a situação de consumo em um contexto de experiência e estilo de vida.

 

Apesar de ainda estarmos longe do ideal, o mercado tem captado a mensagem e as empresas estão mais conscientes sobre a necessidade de criar experiências incríveis para conectar os consumidores às marcas. Prova disso é que o segmento de Live Marketing movimentou cerca de R$50 bilhões em 2015, o que representa um crescimento de 6% em relação a 2014. Os dados são da Associação de Marketing Promocional (Ampro).

 

É obvio que, quando o assunto é investimento em tempos de crise, a palavra de ordem é economia. Mas, isso não quer dizer que inovação e tecnologia não façam parte deste cenário. Com um olhar atento às tendências econômicas de mercado é possível tomar decisões estratégicas e específicas, o que resulta em agilidade e redução de custos.

 

Uma das empresas que absorveu esse conceito e o tirou do papel foi a Coca-Cola FEMSA Brasil, que inaugurou recentemente a nova fábrica em Itabirito (MG). Uma das maiores e mais sustentáveis do mundo, a fábrica precisava de uma comemoração a altura. Com a inteligência criativa, a estrutura de 4 mil m² para o evento de lançamento contou com materiais sustentáveis e 85% da estrutura foi reaproveitada, construída com pallets reutilizados da própria fábrica da Coca-Cola.

 

Outro case de destaque é o "BBDay", convenção de vendas do Banco do Brasil, a primeira realizada via streaming no país. O formato inovador para convenções estruturou 167 pontos de recepção no Brasil e outros 40 pontos distribuidores em 24 países. Assim, as palavras do presidente da organização foram transmitidas simultaneamente para sete mil funcionários. Um caso clássico de quando a criatividade e a inovação, aliadas à tecnologia, produzem soluções pioneiras, ágeis e com bom custo-benefício.

 

Esses exemplos mostram a necessidade de não se intimidar diante do momento econômico adverso. Portanto, implementar soluções inovadoras que proporcionam experiências marcantes entre consumidor e marca pode alavancar, de forma surpreendente, os resultados. Em outras palavras, pense em crise, afinal, ela é uma realidade. Mas, sobretudo, crie! Com percepção e sensibilidade, é possível engajar o público-alvo com a criação de mecanismos que impactam com mais eficácia nas decisões de compra e que permitem retornos acima das expectativas.

 

*Bernardo Dinardi é diretor da TM1 Live Marketing

 

 

** O Grupo Minas Marca não se responsabiliza pelos conceitos, ideias e opiniões emitidos nos blogs assinados.

 

 

 

Notícias relacionadas:

 

 

Os benefícios de um site revitalizado

 

Mas afinal de contas, o que é essa tal de Economia Criativa?

 

Pequenas e médias empresas: o desafio chamado Marketing Digital

Comentar
Deixe Sua Resposta

Comentar

* = Preenchimento obrigatório
Nome *
Email *
Mensagem *
 

Últimos Comentários

Nenhum comentário ainda.
Publicidade